MEU CLUBE COM: Marilza Saldanha - Cidade Clube - O Clube do Esporte

Últimas

Cidade Clube - O Clube do Esporte

O Clube do Esporte

13/01/2017

MEU CLUBE COM: Marilza Saldanha

Na oitava edição da sessão Meu Clube conversamos com a triatleta Marilza Saldanha. A advogada de 50 anos pratica corrida, ciclismo e natação, tudo começou no ano de 2008, nos 10 quilômetros da corrida histórica da TV TEM, onde começou a se apaixonar por corrida de rua. "Antes de correr achava uma coisa difícil, aí percebi que era extremamente prazeroso e que me ajudava a perder peso, além do bem estar psicológico. Logo de cara peguei pódio, o que me deixou ainda mais animada", relembra orgulhosa. De lá pra cá foram três ultramaratonas, dezessete maratonas e sete meias maratonas. 

Após se superar nas corridas de rua, Marilza queria algo ainda mais desafiante. Foi para o triathlon, onde coleciona medalhas e ótimos resultados, "Após fazer uma ultramaratona de 90 quilômetros na África do Sul chamada "COMRADES", considerada a rainha das ultramaratonas, em junho de 2012, senti que queria e precisava diversificar meu esporte, pois só os treinos para as corridas estavam muito desgastantes, tendo em vista que gosto de provas de endurance. Daí resolvi me dedicar a um sonho adormecido que era o triathlon". comenta. Ja são quatro anos da modalidade que pratica desde novembro de 2012 onde disputou um short triathlon em Pirassununga (900 metros de natação, 22 quilômetros de bike e 6 quilômetros de corrida) onde conquistou o primeiro lugar na categoria.

Chile, Peru, Argentina, Canadá, Estados Unidos, Austrália. A atleta conheceu o mundo através do esporte, conquistando seus objetivos e superando suas marcas pessoais. Representou a cidade onde hoje mora e acima de tudo o país. E no final de 2016, disputando uma prova de triathlon (3.800 de natação, 180 quilômetros de ciclismo e 42 quilômetros de corrida) em Fortaleza, foi a campeã de sua categoria e conquistou a vaga para representar o Brasil no Campeonato Mundial de Ironman que acontecerá em Kailua-Kona no Havaí em outubro de 2017. 

"Concluir uma prova de Ironman é algo extremamente difícil e desgastante e conquistar o primeiro lugar da categoria com direito a uma vaga para o Campeonato Mundial, onde competiremos com os melhores atletas do mundo, é algo indescritível, é a satisfação de todo um período de treinamento duro."

No Havaí serão mais 3.800 metros de natação, 180 quilômetros de ciclismo e 42 quilômetros de corrida. A prova é a mais tradicional da modalidade e acontece desde 1982. É conhecido como o Olimpo dos triatletas, um sonho alcançável para poucos. Para se classificar para a etapa de Kona, são realizadas várias etapas ao redor do mundo, que conta com mais de 200 mil triatletas, para se ter uma ideia pouco mais de 2 mil conseguem a classificação para Kona.

"Para esta prova a preparação é mais intensa ainda por conta das condições climáticas na ilha, muito vento, sol, calor (como eu fiz a prova de Fortaleza e dizem que são bem parecidas, creio que não terei grandes dificuldades na etapa). A dedicação nos treinos tem que ser total, por conta dos volumes de natação, treinos de ciclismo na estrada, e os longos de corrida, aliada ainda aos treinos de musculação para fortalecimento e mais os treinos de pilates, cuidados com alimentação, enfim, dedicação total. Tenho que abdicar de muitas coisas, a vida social praticamente não existe, pois no período intenso de treinos, a rotina é: trabalhar, treinar e descansar. Durmo cedo, pois os treinos começam cedinho, acordo as 5 horas todos os dias para treinar. No período de maior volume, chega-se a 15 quilômetros de natação por semana, 250 a 300 quilômetros de ciclismo por semana e 70 a 80 quilômetros de corrida, por semana, fora as obrigações com a família e trabalho."
Além da prova no Havaí, em maio a atleta disputa o Ironman de Florianópolis, além de outras provas pelo Brasil. Saldanha se orgulho de tudo o que o esporte proporcionou em sua vida de 2008 pra cá. "A minha trajetória esportiva apesar de não ser longa, foi e está sendo bem produtiva, tendo em visto que meu objetivo no esporte era somente qualidade de vida e reduzir o peso corporal. Fiz inúmeros provas de 5, 10 e 15 quilômetros, disputei todas tradicionais como a São Silvestre e  Volta da Pampulha, fui para as meias maratonas e cheguei nas ultramaratonas. Em 2012 fiz o desafio das seis maratonas oficiais do Brasil em São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília, Foz do Iguaçu e Curitiba, fechando aquele ano na maratona de Montanha na Austrália. Em 2012 parti pro triathlon, com seis provas de ironman 70.3 (1.900 de natação, 90 quilometros de ciclismo e 21 quilômetros de corrida) onde conquistei três pódios. Disputei quatro provas de ironman (3.800 de natação, 180 quilometros de ciclismo e 42 quilômetros de corrida) onde subi duas vezes ao pódio e conquistei a vaga para o Mundial em Kona. Participei também do Ironman 70.3 em Mont Tremblant no Canadá em setembro de 2014, competi com os melhores atletas do mundo na distância. Uma experiência enriquecedora para mim como atleta."

O Ironman possui uma classificação mundial de todos os atletas que participam de suas provas, o AWA - All World Athlete. Em 2014 e 2015, Marilza é a primeira brasileira de sua categoria e está entre as cinco melhores atletas do mundo. Sendo agraciada com a medalha de prata. 

Marilza, sem dúvidas nenhuma merece o reconhecimento que teve aqui no Cidade Clube. Além do site, merece o reconhecimento da cidade onde treina e do país que representa em cada etapa que disputa pelo mundo. "Meu objetivo principal no esporte é qualidade de vida, ter saúde, e através das competições conhecemos muitos lugares bacanas, países diferentes e isso é enriquecedor, além das amizades que fazemos no esporte. E dizer que sempre é tempo de começar ou recomeçar uma atividade física, mesmo que o objetivo não seja conquistar pódios e sim saúde. O resultado do trabalho duro vem naturalmente."

Wesley Campofredo