Meu Clube: com Elísio Vieira de Faria - Cidade Clube - O Clube do Esporte

Últimas

Cidade Clube - O Clube do Esporte

O Clube do Esporte

16/08/2015

Meu Clube: com Elísio Vieira de Faria

Nesta segunda edição da série Meu Clube, vamos conversar com Elísio Vieira de Faria, professor aposentado, 63 anos de idade e quatro de corridas.

Aos 59 anos Elísio resolveu enfrentar os seis quilômetros de uma corrida em São Carlos, ainda iniciante, terminou a prova com 39m21s, um ritmo de 6m30s por quilômetro, o com um final especial "Ser saudado por Maria Zeferina Baldaia, foi um incentivo e tanto para um iniciante".

De abril de 2012 até a data da entrevista, passaram-se aproximadamente quatro anos, mais de cinquenta medalhas, dois troféus, uma meia maratona, alguns estados e e dois países em que correu. Sua última prova até a data da entrevista foi a Série Delta Alemanha, em São Paulo, com dez quilômetros corridos e um tempo bastante melhor em relação ao início em São Carlos. Dentro de várias provas, aproveita para lembrar com carinho de uma prova na cidade de Pomerode (SC), a mais alemã das cidades brasileiras.

Desbravando a América do Sul através do seu esporte favorito, o professor aposentado disputou provas no Uruguai (Corrida de Punta Del Este, em 2014) e em maio de 2015 realizou um sonho pessoal, a Meia Maratona de Lima no Peru.

Nem sempre as corridas de Elísio foram cercadas por luxo e paisagens "Corri uma maratona de equipes, partilhada com quatro colegas, na região da Luz e Bom Retiro, em São Paulo. Correr pelo centro velho, foi sensacional. Muitas atrações existiam para animar o percurso conhecido por Cracolândia. Bandas de música, palhaços, artistas e outros. A corrida serpenteava pelas ruas da região, em meio a caixas de papelão, pequenos barracos improvisados sob a marquise dos prédios pelos moradores de rua que eram despertados pelas passadas dos atletas. De vez em quando, um cobertor - tipo seca-poços - se movia e um rosto fino, sugado pelo abandono das ruas e das drogas, sorria com sorriso de poucos dentes e arriscava um bom dia, ou um vamos meio que em sintonia com o próprio abandono da vida das ruas e da más condições que vivia aquela gente coberta por andrajos em meia à vida Severina a que se submete."

Em uma certa parte da maratona um pensamento veio a tona para Sr. Elísio: "Busco saúde e disposição física. E aqueles seres humanos das calçadas ali viviam sua sina. Contradições!", conclui.

Após quatro anos Elísio pode rever conceitos e valores sobre a prática esportiva "Participei de aulas com fundamentos técnicos e aplicação prática para enfrentar as provas. Como resultado ganhei novas e sólidas amizades, saúde com os exames totalmente controlados, a citar o colesterol, o triglicerídeos, a capacidade respiratória, a melhoria do sono, a equilibração alimentar, enfim, uma renovação de qualidade de vida."

Elísio viveu, correu, extremos do esporte, seja no luxo de Lima, no Peru, nas praias tão bem frequentadas de Punta Del Este, ou serpenteando as ruas da Cracolândia, em São Paulo. Sonhava com uma meia maratona e venceu sua etapa. Hoje afirma que não quer competir uma maratona, mas sem muita certeza. "A partir da leitura que fiz do livro Correr, do Dr. Drauzio Varella que ganhei de presente, arrisco-me a construir o sonho de correr a Maratona de Nova York. A forma como o autor narra a experiência dele na prova, como ele descreve o trajeto, as etapas, reforça o meu desejo de compor o mesmo cenário."

"Como sonho que é, me dou o direito de ir viajando enquanto isto."

Corre, professor!

Wesley Campofredo